quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

A passagem do ano - Carlos Drummond de Andrade


A passagem do ano


O último dia do ano
não é o último dia do tempo.
Outros dias virão
e novas coxas e ventres te comunicarão o calor da vida.


Beijarás bocas, rasgarás papéis,
farás viagens e tantas celebrações
de aniversário, formatura, promoção, glória, doce morte com sinfonia e coral,
que o tempo ficará repleto e não ouvirás o clamor,
os irreparáveis uivos
do lobo, na solidão.


O último dia do tempo
não é o último dia de tudo.
Fica sempre uma franja de vida
onde se sentam dois homens.
Um homem e seu contrário,
uma mulher e seu pé,
um corpo e sua memória,
um olhar e seu brilho,
uma voz e seu eco,
e quem sabe até se Deus...


Recebe com simplicidade este presente do acaso.
Mereceste viver mais um ano.
Desejarias viver sempre e esgotar a borra dos séculos.
Teu pai morreu, teu avô também.
Em ti mesmo muita coisa já expirou, outras espreitam a morte,
mas estás vivo. Ainda uma vez estás vivo,
e de copo na mão
esperas amanhecer.

O recurso de se embriagar.
O recurso da dança e do grito,
o recurso da bola colorida,
o recurso de Kant e da poesia,
todos eles...e nenhum resolve.
Surge a manhã de um novo ano.
As coisas estão limpas, ordenadas.
O corpo gasto renova-se em espuma.
Todos os sentidos alerta funcionam.
A boca está comendo vida.
A boca está entupida de vida.
A vida escorre da boca,
lambuza as mãos, a calçada.
A vida é gorda, oleosa, mortal, sub-reptícia.


Carlos Drummond de Andrade
(1902-1987)

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Poeminha de final de ano



Poeminha do final do ano passado
Final do ano,
aí vai meu currículo:
andei em círculo,
morri na praia,
fugi da raia.
Ano que vem eu mudo.

Mara Senna
(Este poema faz parte do livro Luas Novas e Antigas)

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

O modo de Adélia Prado dizer 'não esqueço você'...



Formas


De um único modo se pode dizer a alguém:
'não esqueço você'.
A corda do violoncelo fica vibrando sozinha
sob um arco invisível
e os pecados desaparecem como ratos flagrados.
Meu coração causa pasmo porque bate
e tem sangue nele e vai parar um dia
e vira um tambor patético
se falas no meu ouvido:
'não esqueço você'.
Manchas de luz na parede,
uma jarra pequena
com três rosas de plástico.
Tudo no mundo é perfeito,
e a morte é amor.

(Adélia Prado)

Fotos do cabeçalho do blog


São da minha amiga, a dentista e fotógrafa amadora Carmen Fanganiello, as fotos que têm enfeitado o cabeçalho do blog.
 Depois das lindas fotos de flores durante toda a primavera, agora é a vez das suas fotos de pôr- do-sol combinando com o verão.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Wave - Tom Jobim

foto: Clark Little

Wave

Vou te contar
Os olhos já não podem ver
Coisas que só o coração pode entender
Fundamental é mesmo o amor
É impossível ser feliz sozinho...



O resto é mar
É tudo que não sei contar
São coisas lindas que eu tenho pra te dar
Vem de mansinho à brisa e me diz
É impossível ser feliz sozinho...



Da primeira vez era a cidade
Da segunda o cais e a eternidade...
Agora eu já sei
Da onda que se ergueu no mar
E das estrelas que esquecemos de contar
O amor se deixa surpreender
Enquanto a noite vem nos envolver...

Vou te contar...



Composição: Tom Jobim
Clique para ouvir Tom cantando com sua filha Luisa:
http://www.youtube.com/watch?v=vpLLKvDAXNI

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Poesia de Natal - Mário Quintana


Tudo tão vago



Mário Quintana



Nossa senhora
Na beira do rio
Lavando os paninhos
Do bento filhinho...



São João estendia,
São José enxugava
e a criança chorava
do frio que fazia

Dorme criança
dorme meu amor
que a faca que corta
dá talho sem dor
(de uma cantiga de ninar)





Tudo tão vago...Sei que havia um rio...
Um choro aflito...Alguém cantou, no entanto...
E ao monótono embalo do acalanto
O choro pouco a pouco se extinguiu...



O menino dormira...Mas o canto
Natural como as águas prosseguiu...
E ia purificando como um rio
Meu coração que enegrecera tanto...



E era a voz que eu ouvi em pequenino...
E era Maria junto à correnteza,
Lavando as roupas de Jesus Menino...

Eras tu...que ao me ver neste abandono
Daí do céu cantavas com certeza
Para embalar inda uma vez meu sono!...

-------------------
Desejo a todos os seguidores e visitantes do blog um Natal Maravilhoso!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Vem chegando o verão



"Vem chegando o verão
Um calor no coração
Essa magia colorida
São coisas da vida..."

intérprete: Marina Lima
letra e música: Renato Rocketh

domingo, 20 de dezembro de 2009

Finalzinho de Primavera, com Cecília


4º Motivo da Rosa



Não te aflijas com a pétala que voa:
também é ser, deixar de ser assim.
Rosas verá, só de cinzas franzida,
mortas, intactas pelo teu jardim.
Eu deixo aroma até nos meus espinhos
ao longe, o vento vai falando de mim.
E por perder-me é que vão me lembrando,
por desfolhar-me é que não tenho fim.



Cecília Meireles

sábado, 19 de dezembro de 2009

A Primavera está indo embora...

Em meio à agitação das festas de final de ano, a primavera já vai saindo de cena, desapercebida, daqui a a três dias, dando lugar ao verão. Alguns nem perceberam a sua chegada, outros não pecerberão sua partida.
Fiz questão de saudá-la e faço questão agora, de ir me despedindo dela com os textos de quem melhor a descreveu: Cecília Meireles



Primavera

Cecília Meireles



A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.



Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Odes de Ricardo Reis


Odes de Ricardo Reis

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Tão cedo passa - Fernando Pessoa


Tão cedo passa


Tão cedo passa tudo quando passa!
Morre tão jovem ante os deuses quanto
Morre! Tudo é tão pouco!
Nada se sabe, tudo se imagina.
Circunda-te de rosas, ama, bebe
E cala. O mais é nada.


Ricardo Reis, um dos heterônimos de
Fernando Pessoa
(1888-1935)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

LUAS NOVAS E ANTIGAS EM ARAXÁ


Depois de Ribeirão Preto, São Paulo e Brasília, encerro esta temporada de lançamentos do meu livro na bela estância hidromineral de Araxá, MG, minha cidade natal e terra da famosa D. Beja.
O lançamento  será dia 22/12, a partir das 18:00 horas, na Empório do Livro na Av. Getúlio Vargas 286.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Clarice Lispector

"Há um silêncio dentro de mim. E esse silêncio tem sido a fonte de minhas palavras."

sábado, 12 de dezembro de 2009

Mais cenas do lançamento...


A maravilhosa e doce cantora Ná Ozzetti que interpretou, entre outras, Mutante de Rita Lee:



Mutante
Composição: Rita Lee - Roberto de Carvalho

Juro que não vai doer
Se um dia eu roubar
O seu anel de brilhantes
Afinal de contas dei meu coração
E você pôs na estante

Como um troféu
No meio da bugiganga
Você me deixou de tanga
Ai de mim que sou romântica!

Kiss baby, kiss me baby, kiss me
Pena que você não me kiss
Não me suicidei por um triz
Ai de mim que sou assim!

Quando eu me sinto um pouco rejeitada
Me dá um nó na garganta
Choro até secar a alma de toda mágoa
Depois eu passo pra outra

Como mutante
No fundo sempre sozinho
Seguindo o meu caminho
Ai de mim que sou romântica!

Kiss baby, kiss me baby, kiss me
Pena que você não me kiss
Não me suicidei por um triz
Ai de mim que sou assim!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Só Amanhã - Mara Senna


Só Amanhã

Definitivamente,
hoje eu não sei o que quero,
se rir ou se chorar.
Nem sei bem os meus motivos.
Hoje minha casa está suja
mas minha alma está limpa.
Isso me consola.
Visto a camisola -
acho que vou dormir
até o dia de hoje passar.
Amanhã saberei o que fazer.

(Mara Senna)



 O meu poema acima foi lido pela talentosa atriz Dani Duarte, que estava "à espanhola". Ótima!

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

TATUAGEM - Mara Senna


Tatuagem

Mara Senna

Dizem que o tempo apaga tudo.
Pois então,
com que tinta você escreveu seu nome?
Ou, quem sabe, você foi tatuagem,
tão fundo me doeu na pele
o apagar da sua imagem.


A leitura do poema acima, foi feita durante o lançamento de Luas Novas e Antigas pela atriz Paula Picarelli (foto), que é apresentadora do Programa Entrelinhas da TV Cultura. Também na foto, o ator Luciano Chirolli, que participou de várias leituras.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

LUAS NOVAS E ANTIGAS EM BRASÍLIA - convite


Convidando para mais um lançamento de Luas Novas e Antigas,  desta vez em Brasília, dia 09/12, quarta-feira, a partir das 19:30 h, na Café com Letras que fica na 203 Sul, bloco C – loja 19 – Asa Sul – Brasília DF
Entrada Franca
Mais detalhes, basta clicar no link abaixo:
http://cafecomletrasdf.blogspot.com/2009/12/lancamento-do-livro-luas-novas-e.html