domingo, 31 de outubro de 2010

Lya Luft


"Tento entender a vida,
o mundo e o mistério e para isso escrevo.
Não conseguirei jamais entender,
mas tentar me dá uma enorme alegria."

Lya Luft

sábado, 30 de outubro de 2010

Síndrome do Amor

 Uma história de amor que envolve Ribeirão Preto, música, uma mãe de nome Marília ( que eu conheço e acompanha este blog), o filho que se chama Tales e a cantora Maria Rita. Veja o vídeo, conheça essa bela história e visite o site: www.sindromedoamor.com.br
clique e veja o video com a cantora Maria Rita, madrinha da ASDA:
http://www.youtube.com/watch?v=chASbfXZNSw&feature=player_embedded

P.S agradecendo ao Lau Baptista em cujo blog  eu vi este video (http://nadadenovodebaixodosol.blogspot.com/)

Política

“Os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente
e pela mesma razão”.

Eça de Queiróz
(atualíssimo!)

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Minha poesia em antologia no Paraná

Recebi hoje uma mensagem que foi um presente para mim neste Dia Nacional do Livro. Vejam:

"A Secretaria de Estado da Cultura do Paraná tem o prazer de comunicar, que a poesia Fadiga, de sua autoria obteve Menção Honrosa no Concurso Nacional de Poesia Helena Kolody, 2010. Parabéns!
Ele fará parte da antologia com os demais selecionados que será editada e publicada em 2011."
Atenciosamente
Rosi Lopes Salomão
Coordenação de Editoração e Literatura da SEEC/PR"

Apenas dez autores foram selecionados entre 2076 participantes, sendo 07 menções honrosas, o que me deixa ainda mais feliz por esta conquista.
Assim que eu puder publicar o poema, após o lançamento da antologia, apresentarei para vocês aqui no blog.

Dia Nacional do Livro


"Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros.
 Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história."

Bill Gates

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Nova acadêmica da ALARP


A escritora e historiadora Cristiane Framartino Bezerra, atual secretária adjunta da Cultura de Ribeirão Preto, recebeu ontem o título de acadêmica da ALARP - Academia de Letras e Artes de Ribeirão Preto, passando a ocupar a cadeira de número 68.
Uma homenagem mais do que merecida por tudo que ela tem feito pela cultura de nossa cidade e também por ser a pessoa generosa, amiga e especial que é.
Parabéns, Cristiane! Eu tenho certeza que a ALARP só tem a ganhar com a sua participação.
Na foto, a mesa composta (da esquerda para a direita): Oscar de Moura Lacerda, vice- presidente da ALARP; Nely Cirino de Melo, acadêmica e secretária da ALARP; Sra. Catarina Framartino Bezerra, mãe da Cristiane; a neoacadêmica Cristiane; Gilda Montans, presidente da ALARP; Cléo Reis, acadêmica e paraninfa de Cristiane; Adriana Silva, Secretária da Cultura de Ribeirão Preto e grande amiga da Cris; o vereador André Luiz e o deputado Welson Gasparini.

Lucia Bettencourt


Quando a prosa é boa, a conversa vai longe... E foi assim o serão literário com a contista carioca Lucia Bettencourt:  marcado pela simpatia e o bom papo.
Lucia é autora de dois livros de contos: A secretária de Borges (que recebeu o prêmio SESC de Literatura 2005) e Linha de Sombra. Seu texto é muito rico e intensamente trabalhado, cheio de detalhes.
Ela também já recebeu os prêmios Josué Guimarães e Osman Lins.
Quem quiser conhecer um pouco mais da história de Lucia, que por sinal, adora ouvir estórias, é só clicar no link abaixo, que é de uma entrevista concedida por ela:
Conheça também o seu blog: http://nadanonada.blogspot.com/

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Quintana


"O verso é um doido cantando sozinho.
Seu assunto é o caminho. E nada mais!
O caminho que ele próprio inventa..."

Mário Quintana

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Congresso de Poesia


Entre os dias 25 e 30 de outubro de 2010, será realizado o XVIII Congresso Brasileiro de Poesia, em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul.
O evento é organizado pelo grupo internacional Proyecto Cultural Sur, com sede no Canadá, sob coordenação de Ademir Antonio Bacca.
O Congresso contará com os seguintes integrantes: Diego Mendes Sousa, Tanussi Cardoso, Lourdes Sarmento, o ator Eduardo Tornaghi, Laura Esteves, Silvio Ribeiro de Castro, Hugo Pontes, entre outras personalidades brasileiras.
Na ocasião serão lançadas duas antologias internacionais chamadas POESIA DO BRASIL, VOLUMES 11 E 12.

CPFL Cultura - Letras em Cena

A CPFL Cultura apresenta nesta terça dia 26/10/10, em Ribeirão Preto, a leitura dramática da peça "Absinto"

Absinto é um espetáculo teatral sobre um encontro amoroso inusitado e improvável, onde o que não consegue ser dito evoca a inspiração dos personagens de Tennessee Williams – a para ser libertado. A atmosfera romântica dessa bebida hipnotizante e a realidade ilusória da personagem Blanche Du Bois, de “Um Bonde Chamado Desejo” povoam o romance idealizado entre um zelador e uma atriz. Uma relação platônica que provoca e transforma um homem e uma mulher. Duas forças fragilizadas pelo cotidiano. Duas pessoas que buscam reinventar-se através do amor.
De Luciana Carnieli.
Com Luciana Carnieli e Otávio Martins. Direção de Cássio Scapin.
Serviço:
Auditório da CPFL Paulista
Av. Cavalheiro Pascoal Innechi, 888. Entrada pela rua ao lado, Av . Paris, s/n.
Programação gratuita.

domingo, 24 de outubro de 2010

Urgentemente - Eugênio de Andrade


É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Eugênio de Andrade

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

A arte de ser feliz -Cecília Meireles

A arte de ser feliz
Houve um tempo em que minha janela se abria sobre uma cidade que parecia ser feita de giz. Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada, e o jardim parecia morto. Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde, e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas. Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse. E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor. Outras vezes encontro nuvens espessas. Avisto crianças que vão para a escola. Pardais que pulam pelo muro. Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais. Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar. Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega. Ás vezes, um galo canta. Às vezes, um avião passa. Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino. E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.

Cecília Meireles

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Hilda Hilst


"Não é apenas um vago, modulado sentimento
O que me faz cantar enormemente
A memória de nós. É mais. É como um sopro
De fogo, é fraterno e leal, é ardoroso
É como se a despedida se fizesse o gozo
De saber
Que há no teu todo e no meu, um espaço
Oloroso, onde não vive o adeus.
Não é apenas vaidade de querer
Que aos cinquenta
Tua alma e teu corpo se enterneçam
Da graça, da justeza do poema. É mais.
E por isso perdoa todo esse amor de mim
E me perdoa de ti a indiferença."

Hilda Hilst


Os adoráveis gatos de Mára Carmello

A minha amiga e quase xará (se não fora o acento), a escritora Mára Carmello, obteve a segunda colocação em um concurso de literatura infantil cujo prêmio foi a publicação do livro. 
O livro dela se chama O guardador de gatos e foi publicado, por enquanto, apenas na internet.  O livro é adorável! Mára nos diz em seu texto maravilhoso: "não existe gato reserva. Entretanto, seu falar admite amor mais desvelado para o gato vigente, cotidiano roçar de canelas a implorar por alimento.
Os gatos de Mára passam como a serrania pela janela do trem que a conduz desde menina, cada um em cima do seu pilar, recortando a lua cheia. As almofadas das felinas patas insistem em construir existências de silêncio que ela se acostumou a guardar no fundo do coração."
Os passos para ver o livro são os seguintes: clique www.elianeganem.com  depois, clicar na orelha direita do boneco, espaço cultural, premiação.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Leminski

"Nunca cometo o mesmo erro
duas vezes
já cometo duas três
quatro cinco seis
até esse erro aprender
que só o erro tem vez."

Paulo Leminski

domingo, 17 de outubro de 2010

Ladrão

Ladrão

O horário de verão
entrou sem bater.
Roubou uma hora
da minha primavera.
Mas a luz que clareia a noite,
por mais que ele negue,
ainda traz o perfume dela.

Mara Senna

sábado, 16 de outubro de 2010

Balança

Balança

No prato da balança um verso basta
para pesar no outro a minha vida.

Eugênio de Andrade
poeta português
1923-2005

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Dia do Professor


"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." 

Cora Coralina

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Drummond



"...E de tudo fica um pouco.
Oh abre os vidros de loção
e abafa
o insuportável mau cheiro da memória."

Carlos Drummond de Andrade


quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Outros Outubros - Mara Senna

Outros outubros

Outubro me dói como ferida aberta.
Nem o curativo dos anos que passam,
nem as renovadas primaveras
que o enfeitam,
nem o que brota novo do chão,
consolam-me de verdade.
Estou antiga.
Outubro me dói como ferida aberta,
embora eu não queira.
Embora eu às vezes finja esquecer,
outros outubros sempre vêm,
batem à minha porta,
e eu os deixo entrar.

Mara Senna
in Luas Novas e Antigas

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Mário Vargas Llosa



"Um público comprometido com a leitura é crítico, rebelde, inquieto, pouco manipulável e não crê em lemas que alguns fazem passar por ideias."

Mário Vargas Llosa
Prêmio Nobel de Literatura 2010

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Escapulário - Oswald de Andrade

Escapulário

No Pão de Açúcar
De Cada Dia
Dai-nos Senhor
A Poesia De Cada Dia

Oswald de Andrade

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Haikai



Céu de primavera
no jardim dorme a menina.
Qual a flor do sonho?

Aníbal Beça

terça-feira, 5 de outubro de 2010

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Mário Quintana


"O verão é um senhor gordo sentado na varanda
e reclamando cerveja.
O inverno é um vovozinho tiritante.
O outono, um tio solteirão.
A primavera, em compensação,
é uma menina pulando na corda."

Mário Quintana

Sarau

O sarau Paraler, em sua edição de Outubro, homenageia as crianças e também os professores.
Haverá participação dos alunos e professores das escolas Diva Tarlá, Otoniel Mota e Metodista, que trarão mostras de seus trabalhos em literatura e música.
A escritora Nely Cyrino de Mello, virá para contar uma história de seu livro “Histórias da Vó Lili”.
A parte musical ficará por conta do jovem talento Alexandre Borges Garcia.
Todos sob a batuta da Eliane Ratier.
Para crianças de todas as idades.

Sarau Paraler
Dia 05 de outubro - terça-feira
19 horas
Paraler Ribeirão Shopping

domingo, 3 de outubro de 2010

Calote

Calote

Vendeu sua alma.
Só que nunca conseguiu receber
o pagamento.

Mara Senna
em Luas Novas e Antigas

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Diário de um brasileiro - Thiago de Mello

Às vésperas de mais uma eleição, vale a pena refletir nesse poema do grande Thiago de Mello, escrito há muito tempo, mas tão atual como nunca

Diário de um brasileiro

O brasileiro convive bem com o escândalo moral.
Os ladrões infestam os salões de luxo,
os Bancos estouram, os banqueiros
são cumprimentados com reverência,
o Presidente do Congresso chama o senador
de bandido, sim senhor, vossa excelência.

O Presidente diz pela televisão
que "é preciso acabar com a roubalheira
nos dinheiros públicos".

As pessoas das cidades grandes
vivem amedrontadas, qualquer
transeunte pode ser um assaltante.

As meninas cheiram cola. Depois
vão dar o que têm de mais precioso
ao preço de um soco na cara desdentada.

O brasileiro convive com o escândalo
como se fosse o seu pão de cada dia,
com uma indiferença letal.

Como se dormir na casa com um rinoceronte,
mas rinoceronte mesmo,
fosse a coisa mais natural do mundo,
chegando a cheirar a camélias.

O povo, um dia.

Do povo vai depender
a vida que vai viver,
quando um dia merecer.
Vai doer, vai aprender.

Thiago de Mello