quinta-feira, 21 de julho de 2016

Trechos de uma carta que nunca escrevi IV

Foto de Poeta Mara Senna.


Trechos de uma carta que nunca escrevi IV

Não sei se por distração
ou desejo,
perdi a hora do esquecimento...
e envio cartas eternas
que não hás de receber,
a não ser que também te lembres
de as enviar.

Mara Senna

Hibernação






Hibernação


Que me perdoem a ausência,
mas de tanto frio,
hibernei.
Tenham um pouco de paciência...
Estou em estado de latência,...
e voltarei.



Mara Senna

Suspiro







Suspiro




A tua ausência é ar
que ao mesmo tempo
falta e assopra....
É giro sem par
no vai-da-valsa.
Não danço bem,
mas danço,
mesmo que demores muito
a voltar.



Mara Senna

Oferta





Oferta


Dias frios dão-me vontade
de escrever
romances densos,...
contos nebulosos,
porém continuo escrevendo
meus poemas teimosos.
Mas com eles me aqueço,
e os ofereço
a quem os aceitar.



Mara Senna

Trechos de uma carta que nunca escrevi (III)

Foto de Poeta Mara Senna.

Trechos de uma carta que nunca escrevi (III)
 
Se houvesse um só dia
em que eu pudesse deixar de partir,
e pudesse desfazer as malas ...
sempre tão cheias de ti;
talvez, quem sabe, eu descansasse
e fosse feliz.

Mara Senna

Despedida boba

Foto de Poeta Mara Senna.
Foto de Poeta Mara Senna.

Despedida boba

-adeus...
-até nunca mais?
-não, até de vez em quando......
-e como saberei que é quando?
-quando for a vez, saberás...
-então, até já!

Mara Senna

terça-feira, 21 de junho de 2016

Salão de Ideias Poesia com diferentes olhares sobre o mesmo tema


No dia 14/06  durante a na 16a, Feira do Livro de Ribeirão Preto. aconteceu o Salão de Ideias " Poesia com diferentes olhares sobre o mesmo tema" na preciosa companhia dos talentosos poetas João Augusto e José Augusto Camargo e mediação da querida e talentosa Nely Cyrino de Mello. Uma celebração em torno da Poesia. Muito obrigada pela presença e participação de todos!


Crepuscular

Este é o poema que recebeu o terceiro lugar nacional no
Prêmio Literário Mário Sérgio Cortella da 16a. Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto.
O tema foi "A beleza não está nem na luz da manhã nem na sombra da noite, está no crepúsculo, nesse meio tom, nessa incerteza." Lygia Fagundes Telles.

  Foto de Poeta Mara Senna.

Crepuscular

Poentes: já vi tantos,
e de tantos encantos vestidos.
O lusco-fusco a brincar comigo
como olhos fugitivos
que ora me alumiam,
ora me deixam só,
no prenúncio da escuridão.
Poentes: já vi tantos,
e não me canso dos seus tons quentes
de paixão, de cores indizíveis.
O fugaz encontro do dia e da noite,
o beijo breve de dois amantes impossíveis.
Poentes: já vi tantos,
o fogo do dia a queimar os últimos pavios,
antes de a noite embarcar, absoluta,
em seus negros navios.
Nada vai ser igual quando a escuridão chegar.
Nada será tão intenso quando o sol raiar.
Nada se compara à plenitude desse momento,
intenso e crepuscular.
Poentes: já vi tantos,
essa hora que é ao mesmo tempo,
beleza e incerteza,
chegada e partida.
E me pergunto, entre tantos desenganos:
quantos ainda hei de ver
da janela imprevisível da vida?

Mara Senna

foto: internet

Entrega do Prêmio Mário Sérgio Cortella



No dia 12 de junho recebi a premiação pelo terceiro lugar - modalidade poema  - nacional - no Prêmio Literário Mário Sérgio Cortellla da 16.a Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. Parabéns a todos os premiados!

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Video- homenagem do alunos surdos da E.E. Sebastião Fernandes Palma

Este é o video feito pelos alunos surdos que me fez chorar de emoção ontem na E. E. Sebastião Fernandes Palma. Agradeço de coração aos queridos alunos, às professoras Janaina Malta Lima e as interlocutoras de Libras: Camila de Paula e Dienifer, à professora Luciane Matheus que coordena Sala de Leitura, á diretora Maria Teresa e a todos da escola pelo carinho. E sou grata à Poesia que me proporciona essa riqueza.


https://www.youtube.com/watch?v=L2ssGpAoTOg&feature=share