quinta-feira, 22 de julho de 2010

Poema - Cacaso

Poema

Trago comigo um retrato
que me carrega com ele bem antes
de o possuir bem depois de o ter perdido.
Toda felicidade é memória e projeto.

'Cacaso'
 (Antônio Carlos Ferreira de Brito)

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Neruda


"Vou-me embora. Estou triste: mas sempre estou triste.
Venho dos teus braços. Não sei para onde vou."
(Pablo Neruda)

terça-feira, 20 de julho de 2010

Vale a pena conhecer - Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro







interior da Biblioteca com seis andares de estantes de livros

Indo ao Rio, vá ao centro conhecer a Biblioteca Nacional. Faça a visita guiada. Vai valer a pena.
O prédio da Biblioteca Nacional foi construído entre 1905 e 1910, pelo arquiteto Francisco Marcellino de Souza Aguiar. Com projeto do fracês Hector Pépin, é um prédio em estilo eclético, mas possui componentes do Neoclássico, com seu aspecto externo semelhante a um templo grego ou romano com seis colunas e o frontão apresentando uma decoração grega. Mas também tem componentes de Art-Nouveau. Apresenta duas alas com ritmo constante de janelas e cantos arredondados nas quatro esquinas. É um prédio monumental, possuindo uma belíssima escadaria, saguão de entrada de frente para a Cinelândia e toda a decoração em vitrais franceses.
A Biblioteca Nacional é a maior da América Latina, possui um acervo de dez milhões de volumes, entre os quais se destacam milhares de obras raras, que pertenciam à Biblioteca trazida por D. João VI, de Portugal, em 1808. De seu acervo destaca-se a primeira edição dos Lusíadas de Luís de Camões, a grande coleção de gravuras de Albert Dürer e a Bíblia de Mogúndia, de 1462.
Em frente à Biblioteca, fica o grandioso Teatro Municipal, que foi recém-restaurado e merece um capítulo à parte.

Amigo querido - Flora Figueiredo


Amigo Querido

Por onde andamos
nós que raramente nos falamos?
Engolidos pela pressa
ou pela saga do compromisso?
O'Deus que maratona é essa?
Deixo um recado de saudade
para você pensar.
Por mais que a vida corra e o mundo agite,
por favor, acredite:
o nosso coração não muda de lugar.

O tempo e a distância
costumam nos arrastar.
É como se folhas de outono
se separassem pelo sopro de algum vento.
Mas nosso coração não muda de lugar.

Conservo a mão estendida,
o peito aberto,
o ombro compreensivo,
o pensamento alerta.
A qualquer hora você pode me chamar.
O meu carinho permanece vivo.
É que o nosso coração não muda de lugar. 
 
Flora Figueiredo

segunda-feira, 19 de julho de 2010


"Você me deixa a rua deserta
quando atravessa e não olha pra trás."
(Caetano Veloso)

domingo, 18 de julho de 2010

Eterno - Carlos Drummond de Andrade

Eterno 

(...)
Eterna é a flor que se fana
se soube florir
é o menino recém-nascido
antes que lhe dêem nome
e lhe comuniquem o sentimento do efêmero
é o gesto de enlaçar e beijar
na visita do amor às almas
eterno é tudo aquilo que vive uma fração de segundo
mas com tamanha intensidade que se petrifica e nenhuma
[força o resgata
é minha mãe em mim que a estou pensando
de tanto que a perdi de não pensá-la
é o que se pensa em nós se estamos loucos
é tudo que passou, porque passou
é tudo que não passa, pois não houve
eternas as palavras, eternos os pensamentos; e
passageiras as obras.
(...) 

Carlos Drummond de Andrade

sábado, 17 de julho de 2010

Canção IV - Hilda Hilst

Canção IV

Porque te amo
Deverias ao menos te deter
Um instante

Como as pessoas fazem
Quando vêem a petúnia
Ou a chuva de granizo.

Porque te amo
Deveria a teus olhos parecer
Uma outra Ariana

Não essa que te louva
A cada verso
Mas outra

Reverso de sua própria placidez
Escudo e crueldade a cada gesto.

Porque te amo, Dionísio,
é que me faço assim tão simultânea
Madura, adolescente

E por isso talvez
Te aborreças de mim.

Hilda Hilst
(1930-2004)

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Pandora - Mara Senna

Pandora

No cozimento da vida,
todos os males se evaporam,
todos os bens são consumidos.
A esperança fica no fundo da panela,
feito uma rapa de arroz bem cozido.

Mara Senna
em Luas Novas e Antigas

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Rubem Alves


"A poesia não é uma expressão do ser do poeta.
É uma expressão do não-ser do poeta.
O que escrevo não é o que tenho; é o que me falta.
Escrevo porque tenho sede e não tenho água.
Sou pote.
A poesia é água".

Rubem Alves

segunda-feira, 12 de julho de 2010

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Crisálida - Mara Senna

Crisálida

Que me importa neste momento
ser lagarta
ou ser borboleta?
Só não quero que esqueçam
qual a forma da minha letra.

Mara Senna

Paciência - Roseana Murray

Paciência

Sentar na beira do universo
e com infinita paciência
jogar a linha
e sonhar palavras esquecidas,
pedras sonoras que se desmancham
como brumas.
Uma estrela solitária
à espera de ser colhida.
Quando dois olhos se encontram
tudo é possível.

Roseana Murray

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Alguns bons momentos da Feira do Livro

Com o super simpático escritor Carlos Herculano Lopes, de quem sou fã e a quem dei o meu livro. Os mineiros se entendem. Ele estará em breve lançando o livro Poltrona 27.

Mais uma sinpatia em pessoa: Mário Sérgio Cortella, cujo livro "Não espere pelo epitáfio" me estimulou a  finalmente tirar meu livro da gaveta. Por isso, ele também ganhou um exemplar com dedicatória especial

Com Rubem Alves, que mais uma vez lotou o Pedro II e encantou a todos com suas ideias.

domingo, 4 de julho de 2010

Se todas as tuas noites fossem minhas - Hilda Hilst


Se todas as tuas noites fossem minhas

Se todas as tuas noites fossem minhas
Eu te daria, a cada dia
Uma pequena caixa de palavras
Coisa que me foi dada, sigilosa
E com a dádiva nas mãos tu poderias
Compor incendiado a tua canção
E fazer de mim mesma, melodia.
Se todos os teus dias fossem meus
Eu te daria, a cada noite
O meu tempo lunar, transfigurado e rubro
E agudo se faria o gozo teu.

Hilda Hilst

sábado, 3 de julho de 2010

Gata na Janela - Mara Senna


foto: Carmen Fanganiello
(Este poema foi inspirado nessa foto)

Gata na Janela

Gata na janela,
o que pensa?
O que sonha?
Será uma gata recatada
ou uma gata sem-vergonha?
Será que tem sonhos longos
com gorduchos camundongos?
Ou, quem sabe, tem sonhos piratas
com outros gatos vira-latas?

Gata na janela,
o que pensa?
O que sonha?
Será que narram sonhos gulosos,
seus ronronares melosos?
Talvez sonhe, simplesmente,
com o seu pires de leite quente.
Ou quiçá com seus doces mistérios,
coisas felinas, assim bem femininas,
que nem dá para contar...
Gata na janela,
não para de sonhar!

Mara Senna

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Secreta - Mara Senna

Secreta

Todo mundo tem
no pensamento
uma valise,
 onde guarda os momentos
 que merecem
 reprise.

Mara Senna